quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Não há inércia, é só escolha.

[fonte]
Viajo em cinco dias; as malas não estão prontas ainda!!! apenas separei o que vou levar, fiz lista e sigo riscando os excessos ao mesmo tempo que cometo outros. Fui à farmácia e fiz uma feirinha [colírio, solução nasal, remédios para diferentes dores, band aid, anti-ácido, dentre outros]; fiz procuração para que os abacaxis que porventura apareçam sejam descascados sem a minha presença; enfim, depois escreverei sobre o que levei pois quero me deter agora ao que deixarei.

A priori, o título desse texto seria: “Vou em x dias: um post para os que ficam”, mas na maturação da ideia percebi o tamanho da minha pretensão ao pensar que apenas eu, que estou com viagem marcada, vou. Todos vão para algum lugar, e eu vou para a Irlanda. Foi a minha escolha.
["Mande notícias do mundo de lá/Diz quem fica (...)"
Encontros e Despedidas; Intérprete: Maria Rita; composição: Composição: M. Nascimento E F. Brant]

Em Dublin, lembrarei de todos, vou rir, chorar, mandar mensagem, ligar chamando a cavalaria, ou ficar fazendo um estranho ouvir as histórias de meus amigos que para ele são imaginários. E, desde já, posso antecipar algumas delas: [se fosse um filme, a câmera faria uma tomada do meu rosto, e ia dando um close up, até chegar aos olhos, e entrar na minha imaginação, e a parte a seguir do texto seria mais opaca, indicando que é meu pensamento.]

Enquanto estiver na Ilha verde, terei notícias dos shows de uma Eduarda que finalmente revolveu botar a voz num CD; Moema enviou o projeto, que foi aprovado por alguma lei de incentivo à cultura, e possibilitou a gravação do CD e a realização de alguns shows; houve um lançamento em praça pública, mas também uma festinha com comes e bebes, apenas para os amigos mais próximos e artistas convidados. A empresa de Juliana organizou todo o buffet [e eu fiquei babando quando vi as fotos produzidas por Marcílio para a Agência de Annie]. E Jú, apesar da minha ausência, teve que repartir Eduarda com muito mais gente; mas era momento de felicidade e esse assunto era apenas tiração de onda, para incitar o ciúme.



Na plateia, Edione, Deise, Danilla e Fernando numa mesa, bem ao lado da de Claudia e Francis. Marcílio senta com Arthur, Jeanne e Júlia para descansar um pouco. Me matam de orgulho esse povo! Nossa: e tem aquela turma do fundão com Gamela, Dudu e Jorge morrendo de rir, cantando as músicas novas da Eduarda no estilo “vamos abrir a roda”. Edi e Deise olham com cara feia, mas na verdade querem é estar lá. Deram um rela na galera, mas depois da apresentação se juntaram todos, e cantaram todas as rodas. Moema não para em nenhuma mesa muito tempo, ela está fazendo novos contatos com os artistas que foram convidados para o lançamento, pensando nos eventos futuros. Em conversa com Paulo, dono do Mororó, logo organizou em evento lá.

Pedro e Rildo estavam conversando sobre quem seria aquele lá atrás, que chegara no meio do show, com mochila nas costas, e não tinha entrado: Rildo o conhecia, e disse a Pedro que aquele era HVB, que ele era de Recife, que tinha perdido o ônibus e veio de carona. Ele fez uma participação, lendo umas de suas poesias no palco.

Mas Campina continuava a mesma e, após o show, alguns logo se dirigiram para o Largo da Bohemia ou Tenebra. Juliana logo foi para casa, teria um casamento no outro dia, e deveria acordar cedo para inspecionar tudo. Nyeberth chegou e falou com Edi sobre a nova viagem dela. Dessa vez ela não iria para a França. Logo encontraram com Técio, que tinha voltado da Áustria e estava cheio de história pra contar: Tiago, Catherine ouviam e morriam de rir, e outros foram se agregando à mesa.

Entretanto, nem todos estavam nesta festa. Alguns, como Adeildo, foram convidados, mas era fim de semestre e o convite chegou apenas quinze dias antes, ele respirou fundo e disse: “Mas galegaaaa, porquê você não avisou antes????!!!!” Ele ficou em casa, tentando resolver as malditas avaliações e pensando no show. Depois, acabou dando uma passada no Bar do Brito onde encontrou vários conhecidos, como Fidélia e Zezé dentre outros, e por lá não tinha lançamento de CD, mas a música era o prato principal. Flávio deu uma passadinha no show, mas logo foi encontrar-se com Jesus e Sandrely que estavam também no Brito.

Do outro lado da cidade, Claudenice faz uma festa para comemorar a casa nova. Valentina ainda está pequenininha, mas Tia Erbênia fica o tempo todo babando a pequena. Rogério fica com ciúmes [da mãe ou de Valentina?]. Kare soube da notícia, mas ela não estava do outro lado da cidade, nem mesmo do país; estava na Tailândia, e do i-phone do Goiano deu os parabéns a Clau e enviou fotos do restaurante onde estavam. Cada comida!


Mais adiante também teve outro evento do qual não pude participar: o casamento de Mônica e Jalberth. Daniel não foi o fotógrafo oficial pois era o padrinho. Tudo lindo! Também com a organização da noiva, as listas, preparativos e cuidados só poderia ser assim. Cyntya, e mais um monte de gente, borrou toda a maquiagem ao ver a noiva entrar!

Assim, todos continuaram suas idas e vindas, sem inércia, na eterna oscilação entre as decisões que tomamos, e as que o mundo tomou para nós.
Gostaram das minhas previsões? E, agora me pergunto: quais serão meus caminhos em 2011? 
Ah, e para aqueles que me pediram para eu trazê-los na mala, lembrem-se de que meu coração é maior


sábado, 8 de janeiro de 2011

As bases - primeiros planejamentos

Estou no momento de arrumar as malas, planejar, e organizar tudo para a viagem, pois afinal, dentro de duas semanas embarco para Dublin.


Este post ainda não é sobre a minha arrumação, e minha experiência, mas sobre como consolidei minha escolha pela Ilha Verde, e sobre como a leitura de alguns blogs me deram uma maior segurança.


 Antes de me decidir pela Irlanda pesquisei outros países como Canadá e Austrália. Pesei prós e contras de cada país de acordo com meus interesses, e possibilidades financeiras. 


Li vários textos sobre cada país, ao mesmo tempo que fazia a pesquisa junto a agências de intercâmbio, escolas, embaixadas e  empresas aéreas.


Passei por vários blogs e elegi alguns como essenciais, que me ajudaram a sentir a Irlanda e ter mais segurança na escolha do meu país para 2011. Em todos os sites, indico como fundamentais os textos sobre o que fazer antes de viajar, o que fazer ao chegar, o que levar na mala, documentação, avaliação de escolas e agências. Abaixo ressalto as especificidades que me chamaram atenção em cada um deles:




Vida na Irlanda, da Tarsila, foi o primeiro com o qual tive empatia. O jeito de escrever e a atenção da blogueira para com os leitores me cativou a  buscar novos textos diariamente. 


Além disso, os vários olhares de uma brasileira em Dublin, relevados principalmente nas categorias Conhecendo a Irlanda, com sugestões belamente vividas e garimpadas pela escritora que me fizeram sentir, ainda no Brasil, um pouquinho do país, além de ter idéias de para onde se ir, e do que fazer quando chegar aproveitando ao máximo a cidade, e Achado em Dublin com sugestões de bons lugares como bares, restaurantes, lojas, e até mesmo armarinhos e açougues. 


Antes de vir, não deixe de ler as entrevistas com estudantes brasileiros que estudam em várias escolas de dublin.


E-Dublin é um projeto maior com o site e também um grupo de discussões. No site, os vários colaboradores dão dicas muito boas de como se virar em Dublin. Através de suas experiências nos fortificamos para construir as nossas. Fiquei bastante surpresa com um post sobre brasileiros trabalhando em Rickshaws, e ri bastante com um post no qual o Edu, não entende bem se era Tuesday ou Thursday o seu primeiro dia de trabalho.


No grupo de discussões E-Dublin pedi ajuda, pude ajudar e conheci pessoas que estão na mesma situação, preparando-se para viajar, ou mesmo que já estão ou estiveram e Dublin e compartilharam suas experiências.


Há em São Paulo e Dublin, regularmente, o Dublincontro, momento para encontrar brasileiros, trocar experiências, e, é claro, se divertir. Há também, encontros em outras cidades como Cork, na Irlanda e Belo Horizonte, no Brasil.


 Através de vários canais, incluindo o boca a boca,  tenho conhecido algumas pessoas que foram, são ou serão Dublinenses emprestados pelo nordeste do Brasil. Será que teremos um Oxente? Dublincontro em João Pessoa em 2012?


Ah, ão deixem de consultar os classificados do E-dublin.




O  Santo Irish é um apoio para antes e depois de chegar em Dublin. Há diariamente no site vagas de emprego disponíveis, facilitando a busca para os brasileiros. Também com seção de classificados, avaliação de escolas e agências, além de outras dicas.




O Marcelo Góes está partindo para novas aventuras no Canadá, mas tem histórias bem legais da experiência dele na Irlanda. Não deixem de ler os posts, planejar, rir e contar cada vez mais os dias para poder estar fazendo sua própria história.


Bem, tem muitos outros blogs, bons também, que com o tempo irei lendo e acompanhando.


Colocarei todos os que tiverem a ver com experiência de brasileiros na Irlanda no meu Blogroll.


abraços,


nos próximos dias conto minha história,


Marília Barreto