sexta-feira, 1 de julho de 2011

De que cor são os táxis?

Nas cidades de interior no Brasil, não há uma padronização quanto à cor, mas em grandes cidades são geralmente brancos ou amarelos.

Na Big Apple, Nova Iorque, seus táxis amarelos são presença marcante nas grandes avenidas.


Em Londres, temos os famosos Black Cabs, oferecem serviço com motoristas superqualificados que conhecem a cidade na palma da mão, mesmo sem o uso do GPS. São mais caros que os mini cabs, pois são de empresas independentes e não há tanto treinamento e avaliação dos motoristas. É sempre aconselhável pegar um Black Cab, quando não conhecer o caminho, pois estes taxistas não irão enrolar para você pagar mais. Detalhe: os Black Cab's são na maioria pretos, mas há de outras cores também como vemos no site Black Cabs.

Em recente visita a Bristol, vi que os táxis de lá são azúis!!!




[Táxis em Bristol, Inglaterra]

E vocês podem me perguntar: Oxente? Você não está na Irlanda?  Bem, em Dublin não há padronização quanto a modelos, ou cor. O importante é ver no painel da frente a licença do motorista. Os preços são razoáveis e é cobrado mais um Euro a partir do segundo passageiro. Uma boa dica quando a grana estiver curta é combinar antes o valor com o taxista.
[taxis na O'Connel, principal rua do centro de Dublin]

Na minha Campina Grande, os táxis são brancos. Como são os táxis pelo resto do Brasil e do mundo?
[táxis na rodoviária de Campina Grande]

Ao me despedir, só me lembrei do hit dos anos 80:



Abraços, e até o próximo post,

Marília

10 comentários:

  1. Hit original tá aqui ó:

    http://www.youtube.com/watch?v=sJrHSfDSm34

    Angélica era a cópia da Vanessa, mas mais sensual. A Vanessa era uma guria vestida de pijama que cantava sobre o Joe do taxi. Ouvi o original numa rádio de Instambul!

    ResponderExcluir
  2. Quando vi, só pensei: não tinha ortodontia naquela época rsrs. E no Crato, CE, como são os taxis?

    ResponderExcluir
  3. Gostei, outro dia passou uma reportagem sobre os taxis de Londres e o aprendizado dos motoristas que é bem rigoroso, eles tem de decorar todas as ruas. E só é motorista quem passar no teste final.
    M. da Guia

    ResponderExcluir
  4. E, estes taxistas de Londres, desde muito antes de qualquer GPS, tinham todo o mapa da cidade na cabeça. É um serviço caro, mas com garantia de bom atendimento.

    ResponderExcluir
  5. Bom minha querida prima, os taxis aqui na minha linda Catolé são os mais variados possíveis, e não existe o taximetro, eles cobram R$ 7,00 por uma corrida de pequena distância e aumentam nas de distância maior. Poucos usam aquela plaquinha em cima do carro, então, por ser uma cidade pequena onde "todos" se conhecem, eles são chamados através de seus celulares. O mais interessante é co0mo são conhecidos... aí vai: CHICO DO TAXI - DR. DO TAXI - BIGODE - SALES - MANEZÃO - e outros mais novos que não são ainda tão conhecidos.
    1.000 beijocas

    ResponderExcluir
  6. Oi Marília, já foi em Edimburgo? Os táxis lá são do mesmo modelo britânico, mas a maioria deles são artísticos, fazendo propaganda para alguma empresa.

    Postei algumas fotos num texto no meu blog :P http://omundopelasofia.blogspot.com/2011/08/fim-da-jornada-edimburgo-escocia.html

    Abraços, Sofia

    ResponderExcluir
  7. Oi Sofia,

    como meu blog tava cheio de teia de aranha não tinha visto seu comentário e nem as dicas de seu blog antes de viajar. Uma pena...

    Fui em Edimburgo numa viagem super rápida, mas gostei muito da cidade.

    ResponderExcluir
  8. Vanusa,

    a melhor parte daí é: "onde todos se conhecem", pois numa cidade grande, onde ninguém se conhece, pegar um táxi também pode ser perigoso.

    Ahhh, e os apelidos heim?

    beijos

    ResponderExcluir
  9. Gosto dos cor-de-abóbora em Curitiba...

    http://2.bp.blogspot.com/_4BBgprDvqmc/TLeyX4hi4uI/AAAAAAAAAYQ/iVk3tAFKEA4/s1600/rodoviaria_curitiba.JPG

    ResponderExcluir
  10. Pelo menos um destaque entre os tradicionais brancos e amarelos espalhados pelo país!

    ResponderExcluir

Vou achar arretado se você deixar um comentário para este post. Grata,
Marília.